APOIE!
APOIE!

Juntos Trabalhando a Disciplina Consciente

Home > Notícias > Juntos Trabalhando a Disciplina Consciente
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é adade-ita.gif

Por: Alberto Adade Filho

Embora para alguns seja convicção antiga de que a Disciplina Consciente (DC) é o principal pilar do modelo educacional do ITA, devido ao aumento de manifestações nesse sentido, nota-se que essa percepção vem se disseminando. Não é uma assertiva passível de prova, mas é possível argumentar a seu favor. E para provocar, conhecendo o gosto pela polêmica dos caríssimos leitores, “o ITA foi e é o que é por que existe a DC”.

Ao estabelecer que: “… o Instituto tem por objetivo ministrar o ensino e a educação necessários à formação de profissionais de nível superior…”, a lei de criação do ITA (Lei 2.165 de 05/01/1954) o projeta além do significado usual de uma escola cuja finalidade é a de ministrar ensino coletivo.

Não é possível entender o ITA e o sentido da DC sem conhecer minimamente a sua história. E essa história delineia um modelo singular em uma escola diferenciada por concepção e forma. O Prof. Richard H. Smith, primeiro reitor do ITA e um de seus principais idealizadores, em uma de suas palestras, ao justificar a criação do Curso Fundamental do ITA (que atualmente se constitui nos dois primeiros anos de formação básica geral de engenharia), elencou como a primeira das 3 condições para se formar um bom profissional:

“A média dos estudantes brasileiros do curso secundário precisa ser mais ou menos reeducada com respeito a hábitos de trabalho e, mesmo, em alguns casos, a hábitos de honestidade. … Muitos estudantes brasileiros do curso secundário também lucrariam consideravelmente em um ambiente escolar de perfeita honestidade e integridade, o qual, infelizmente, nem sempre existe nas escolas secundárias, mas que será um fato no Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Será, entretanto, melhor criar esse ambiente recuperador em uma escola fundamental separada, …”.

E nas palavras do Prof. André Johannes Meyer – Reitor, em Aula Inaugural de 1954:
“Outro ponto, relativamente novo para o Brasil, deve ser referido. A questão consiste em indagar se a escola deve ou não aceitar encargos além dos limites do campo de preparo estritamente técnico e intelectual, como por exemplo, a incumbência de desenvolver qualidades de liderança, responsabilidade e boa cidadania. Foi decidido, como política básica, que o ITA aceitaria encargos adicionais dessa natureza e providenciaria a criação de condições e processos especificamente orientados no sentido de ensejar a maturidade e o completo desenvolvimento de personalidade desejáveis numa sociedade democrática.”

Àquela altura, 4 anos após o início do funcionamento do ITA em seu campus, a DC estava em processo de criação e implantação na Escola, como resultado do empenho e discernimento de grandes lideranças docentes (registre-se a relevância do papel do Prof. Joseph Morgan Stokes, reitor no período de 1951-1953) e discentes do Centro Acadêmico Santos-Dumont (CASD), órgão representativo dos alunos.

Fundada em valores, um dos principais a confiança mútua e na instituição, o sentido da DC é o estabelecimento de um regime virtuoso de convivência e trabalho, um ambiente de liberdade, responsabilidade e credibilidade, cuja vivência e prática ensejam a melhor formação integral que a Escola possa proporcionar a seus estudantes.

A DC auxilia na compreensão do significado histórico e propósitos do ITA e reforça o senso de pertencimento a essa Escola. Haja vista a DC ser sempre um assunto na conversa de ex-alunos, alunos e professores que reiteradamente se orgulham e se manifestam quanto a sua importância formativa, que transcende ao período e às questões escolares.

Há pontos objetivos que são intrínsecos ao modelo instituído de DC e de percepção clara e imediata, dentre os quais: a honestidade intelectual e a conduta correta no estudo e aprendizado. Mas há outros, como o comprometimento com a formação e o de portar-se dignamente. O modelo é institucionalizado e uma marca da Escola, o que convida, a bem de todos, que o indivíduo deva concorrer séria e conscientemente a se integrar a ele.

Há vários indicadores que apontam ou certificam a qualidade de formação do ITA e a relevância de seus resultados, inclusive em avaliações relativas e comparativas (dada a escola ser de pequenos números). Esses resultados são muito difíceis de conseguir sem o lastro e o “drive” de um modelo diferenciado, e dentre os seus vários elementos, a DC é o maior diferencial.

Tendo em vista que grande parte das realizações e contribuições de qualquer escola, em todas as áreas e por sua natureza, ocorrem e se verificam pela atuação de seus egressos, considera-se razoavelmente defendida a assertiva que foi feita no início.

Entretanto, acontecem “altos e baixos” nessa história. Novos tempos, novas pessoas, novos rumos, velhos e novos problemas, o ITA como escola precisa estar em um processo contínuo de se reinventar, para manter posição de destaque no cenário educacional e para cumprir com excelência seus objetivos. Os desafios são grandes e há algumas ameaças ao modelo, assunto para outro momento. Mas, já como uma reação, o senso de importância da DC para a formação do aluno, compartilhado por professores, alunos e ex-alunos, levou à constituição de um grupo de trabalho em prol da Disciplina Consciente (GTDC), que objetiva contribuir para o fortalecimento da DC, e que irá apoiar a Escola divulgando informações e promovendo estudos, pesquisas e encontros sobre o tema, no sentido de ampliar o conhecimento da comunidade e de reforçar continuamente a importância da sua prática. O GTDC vem crescendo dado ser um grupo aberto, bastando o interesse manifesto ou convite aceito para ser integrado ao mesmo. A meta inicial estabelecida pelo grupo foi no sentido de se unificar uma conceituação da DC, especialmente para consolidar alguns entendimentos e reorientar outros, dando mais clareza de significado.

No decorrer desse trabalho, surgiram levantamentos históricos, documentos e novos textos que agora enriquecem a base complementar de informações, criada pelo GTDC, sobre a Disciplina Consciente. Na sequência, observou-se a necessidade de se formar subgrupos temáticos, pois há questões que precisam ser trabalhadas logo e em paralelo, como a DC e a Pós-Graduação, a “judicialização” dos processos disciplinares, o apoio ao CASD e ao DOO e outras, que demandarão ações de curto e médio prazos. Espera-se da atuação do GTDC o fomento de ações coordenadas na Escola envolvendo protagonistas na gestão e prática da DC, como o CASD e o DOO, a Divisão de Assuntos Estudantis (antiga Divisão de Alunos) e o Sistema de Aconselhamento.

Postagens recentes
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp