Reflexões sobre o EEF 2019

Caríssimos Ex-Alunos,

Como já lhes mencionei antes, o EEF2019 foi muito rico em resultados. Há várias atividades em curso para estrutura-los afim de que, a partir deles, sejam decididos caminhos a perseguir.

Segue abaixo uma listagem daquilo que eu consegui apreender. É uma pálida imagem de tudo que foi comentado e espero, em breve, estar em condições de lhes passar algo muito mais completo resultado das atividades citadas acima.

 

Tomo, porém, a iniciativa de lhes enviar esse arremedo esperando que alguns de vocês já se animem a participar das discussões com palpites, relatos de experiências pessoais, sugestões de leituras aprofundadoras, etc. Estamos falando da busca de excelência pelo ITA tema que nos motiva a todos.

Segue a lista:

 

EEF2019 Ideias.

O ensino deve mudar de “TEACHER CENTERED” para “STUDENT CENTERED”.

Aprendizado deve ser cuidado por Professores Universitários, profissionais que além de formação específica como, por exemplo, engenheiro, médico, advogado, etc. tenham formação em métodos de ensino.

Há necessidade de Centros de Excelência em Educação (CEE) para formar os Professores Universitários, liderar a busca de métodos de aprendizado, avaliar a metodologia e o desempenho dos Professores.

Cabe, também, ao CEE cuidar para que todos os Professores Universitários estejam sempre a par dos modernos métodos de ensino como “PROJECT BASED LEARNING”, “PROBLEM BASED LEARNING”, sala de aula invertida, uso de videoaulas, ensino à distância, etc.

 

O aprendizado de engenharia requer base sólida em Matemática, Física e Química; há necessidade de desenvolver meios para superar as dificuldades em interessar os alunos na conquista dessa base sólida. O aprendizado de engenharia deverá fazer uso constante de técnicas de realidade virtual e realidade aumentada por possibilitarem uma interação com o projeto em desenvolvimento não presente nas outras formas de ensino.

É preciso conseguir entender a visão, dos alunos da época atual, de como a engenharia os poderá tornar cidadãos realizados.

 

Temos que formar engenheiros que além da base sólida mencionada acima não se atenham a uma especialidade específica, mas tenham capacidade de se envolver com qualquer problema técnico tendo visão sistêmica, sensibilidade ambiental, conceitos firmes de viabilidade e sustentabilidade. Os formados devem também ter tido amplas possibilidades de desenvolver suas capacidades de inovação e de empreendedorismo. Para tanto a Escola deve frequentemente organizar desafios aos alunos de solução de problemas e cursos de curta duração sobre matemática financeira e técnicas modernas de gerenciamento de projetos.

O ensino da engenharia deve ser multidisciplinar e será ótimo se o “PROJECT BASED LEARNING” der oportunidade ao aluno de participar de grupos onde além de engenheiros haja, também, médicos, advogados, economistas, artistas, etc.

 

Conseguir a excelência do aprendizado acompanhando o desenvolvimento individual de cada aluno. Esse acompanhamento individual exige que os Professores Universitários tenham se especializado em tutoria e aconselhamento.

 

Estabelecer nas escolas núcleo capacitado a dar ao aluno o apoio de saúde mental, do qual precisa principalmente no primeiro ano por causa da grande transformação da sua vida e, no fim do curso, apoio de aconselhamento para sua vida profissional ao deixar a escola.

Estabelecer com entidades industriais e de pesquisa laços que permitam ao aluno participar da solução de problemas o mais cedo possível.

 

A rede curricular deve assegurar ao aluno uma ampla liberdade de escolha ao mesmo tempo garantindo a formação humanitária envolvendo ética, direito, história, arte, etc. e a familiarização com “SOFT SKILLS”.

Enfim, convido todos a se interessar e participar dessa cruzada.

Um grande abraço a todos.

 

Alfred Volkmer – T61

COMPARTILHE

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn